Agregando resiliência ao seu perfil profissional

De tempos em tempos, novas habilidades são agregadas ao perfil profissional dos gerentes de projetos, estejam eles em qualquer estágio de sua carreira. Conhecimento técnico, boa relação interpessoal, dinamismo, capacidade de trabalhar em equipe, resolução de conflitos e escuta ativa, são alguns exemplos de aspectos comportamentais altamente valorizados pelas empresas. E isso o PMI enxerga de uma maneira muito consciente em seu Triângulo de Talentos.

Essa visão do Triângulo tem como objetivo preparar melhor nossos profissionais gerentes de projetos para lidar com os desafios ligados à essa tríplice que envolve gerenciamento técnico de projetos, liderança, e gerenciamento estratégico e de negócios. Estes aspectos, incluídos como fundamentais, permeiam o mundo do gerenciamento, sempre englobando novas habilidades ou aperfeiçoamento de outras.

Nesse material, trataremos especificamente sobre a resiliência, quem vem ganhando destaque entre os profissionais mais disputados do mercado, ultimamente, embora tenhamos várias outras competências e habilidades que serão aprofundadas em momento oportuno.

Quem é apaixonado por física sabe que a resiliência é uma capacidade dos materiais que acumulam energia de voltarem ao seu estado normal depois de terem sido submetidos a uma situação de tensão ou estresse. Se o material atinge uma situação crítica ou fora do comum e volta ao normal, diz-se que ele é resiliente. Com essa conceituação, imagino que você já deve estar fazendo comparações mentais com o seu ambiente de trabalho. Lógico, pois toda razão tem sua emoção e toda produtividade acaba passando por uma adversidade, o que resulta na necessidade do profissional resiliente estar preparado para enfrentar as dificuldades. Se você é capaz de passar por situações estressantes e consegue se recuperar sem muitos traumas, significa que está no caminho certo e é uma pessoa resiliente e bem vista pelas empresas.

Pela lógica, o profissional resiliente resolve problemas com mais facilidade, executa bons planejamentos, assume riscos controlados e, claro, apresenta os melhores resultados.

Mas, como estar preparado? Segundo Tara Swart, doutora em neurociência e professora na faculdade de Administração do Instituto Tecnológico de Massachusetts (MIT), para desenvolver resiliência, entre outras coisas, é preciso entender e cuidar da saúde cerebral. Segundo ela, a ciência já provou que, para manter o cérebro em alto desempenho, só existe um caminho: prover descanso, combustível, hidratação, oxigenação e adotar um padrão de hábitos que ela chama de simplificação.

Baseado nos estudos da Dra. Tara e em outros que procuram entender a resiliência no mercado de trabalho, separamos algumas dicas rápidas e incrementais para que isso ocorra o quanto antes na sua vida pessoal e profissional:

  • Escute as pessoas: a maioria delas vai fornecer um feedback saudável para você;
  • Tenha suas metas muito bem traçadas;
  • Se errar, assuma o erro, mesmo que ele tenha duras consequências. Isso fortalece a sua capacidade de resolver futuros problemas, assim como mostra responsabilidade;
  • Seja honesto com todos e com você mesmo. Você adquire mais autoconfiança e não sofre tanto com os infortúnios;
  • Cuide da saúde emocional: nada de se dedicar 25 horas ao trabalho e muito menos deixar que os problemas particulares afetem seu profissional. Tenha hobbies, saia com amigos, plante uma árvore e por aí vai.
  • Use a criatividade: ser criativo ajuda a estimular a sua capacidade mental de superar dificuldades com sabedoria;

Enfim, ser resiliente é manter-se na condição produtiva, sem estresse, mesmo em condições adversas. Pratique!

Sobre o autor:

Ivan Lourenço Costa é analista de sistemas, consultor, voluntario e Diretor Adjunto de Desenvolvimento Profissional do PMI Goiás.

Referências:

PMI Brasil http://brasil.pmi.org

Revista Exame  http://exame.abril.com.br

Voltar